Clique e compare!


 
 
 
http://links.lomadee.com/ls/X19DRTs0eTRJcEU4ajsyODAxMDE2MDswOzEzNTszMzUyNDM5ODs7QlI7MTs7MA--.html?kw=tv+4k

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Feliz Natal

Neste Natal vamos...

Multiplicar Amor
Que nossas mãos possam ser portadoras de paz..
De afagos..
De carinho...
Que escorra delas os mais límpidos sentimentos..
de bálsamos..de alívio..de força..de luz...
Que possam ser espraiados na terra árida..
fazendo germinar o amor entre as pessoas..
Multiplicando cada melhor essência de nós..
Fazendo-nos fortes ao meio à tempestade..
Deixando-nos ver o sol que nasce..
Que rompe a noite..
Que se faz dia..
Que se faz belo..
Que se faz vida!
Que se chama amor...

(Jane Lagares)


O Natal é de todos nós, por isso, desejo que o espírito natalino permaneça por todos os dias do ano e não só uma vez, como muitos comemoram.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Meditar....



























Boa idéia!


Pensar muito, é exercitar a mente, e todo o exercício desde bem feito, faz muito bem para o ser-humano. Por isso, vamos pensar cada vez mais, só assim, educaremos a nossa mente, para cada vez mais sair boas idéias.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

REFLEXÃO!!

EU SOU ASSIM...



Sou mais EU. Portanto, sou feliz assim.

Voltei!!!!



Estive ausente por alguns dias, devido aos ensaios do GELIT, Produção Livre, escrita dos Memoriais e Diario de Ciclo. Estou voltando aos poucos para interagirmos juntos nesse mundo virtual....




segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Feriado!




Em Tapiramutá, assim como em outras cidades e municípios, comemora-se o 8 de dezembro, dia de Nossa Senhora da Conceição. Por isso, aqui em nossa cidade é feriado municipal.
No entanto, desejo a todos, um bom feriado.


domingo, 6 de dezembro de 2009

SENSO COMUM E CIENTÍFICO SOBRE A CIÊNCIA

CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA
ENSINO FUNDAMETAL/SÉRIES INICIAIS
MUNICÍPIO DE TAPIRAMUTÁ


LUZINETE DOS SANTOS OLIVEIRA
VANDICLEIA DE CARVALHO SANTOS

SENSO COMUM E CIENTÍFICO SOBRE A CIÊNCIA

Tapiramutá – Bahia
Junho 2009


VANDICLEIA DE CARVALHO SANTOS


SENSO COMUM E CIENTÍFICO SOBRE A CIÊNCIA

Resumo apresentada para atividade GEAC – Produção Científica, orientado por Luiza Seixas.



Tapiramutá – Bahia
Junho 2009


Definir conhecimento científico, sem dúvida, é uma tarefa árdua. Não oponente a complexidade do tema, defrontamo-nos também com as impressões equivocadas sobre conhecimento científico, as quais terminam impregnando o discurso sobre o da ciência.
Não se trata de defender que existe uma polissemia do termo ciência. Talvez até haja. Entretanto, a brisa mítica que se formou ao redor do fazer científico nos confere um desafio maior ainda quando nos colocamos a tarefa da caracterização desse conhecimento.
A primeira tarefa para tentar driblarmos esse inimigo oculto, diluído no discurso de pelo menos três séculos, é tratamos de conhecimento científico e não de ciência. No fundo, claro, estamos falando da mesma coisa. Entretanto é dos vícios que o termo ciência criou que queremos nos livrar. Tratar esse fazer científico, que se iniciou especialmente depois da Idade Média na Europa, por conhecimento científico tem como principal intuito dar à produção científica o seu devido lugar. O lugar de mais um conhecimento, de mais uma possibilidade de explicação da realidade, dentre as várias que o homem criou.
O objetivo do conhecimento científico é explicar a realidade ou, pelo menos, parte dela. Essa tese, sem dúvida, é uma das mais comuns quando estamos tratando de ciência. Contudo, ela se configura como um tremendo equívoco. Essa crença talvez resida no fato dos próprios fazedores de ciência que disseminam o tão importante rigor de suas pesquisas e dos seus métodos de verificação e de interpretação da realidade.

A percepção comum de ciências está repleta de expectativas simplistas, sobretudo no sentido se que os cientistas seriam gente acima de qualquer suspeita, produzindo “oráculos definitivos, detendo em suas mãos conhecimentos perfeitos.
...O maior problema da ciência não é o método, mas a realidade. Como esta não é vidente nem coincide completamente a idéia que temos da realidade e a própria realidade, é preciso primeiro colocar essa questão: o que consideramos real? Alguns julgam que realidade social é algo já feito, totalmente externo e estruturado. Outros concebem-na como algo a se fazer, pois seria criativamente histórica. (Demo, 1995: 16)

O debate acerca da demarcação científica tem privilegiado enfoques guiados, principalmente, pela preocupação em identificar características únicas e essenciais da ciência que a distinguem e separam de outras atividades consideradas não científicas. Este trabalho apresenta uma reflexão sobre o processo de demarcação científica, a partir da perspectiva do construtivismo crítico, perspectiva esta que se propõe a rever criticamente as premissas do construtivismo social e da etnometodologia. Destaca-se a contribuição da área de ciência e tecnologia e analisa-se um conjunto de pesquisas baseado no conceito de trabalho-fronteira. Argumenta-se que tão importante quanto compreender estes processos de demarcação é destacar o processo simultâneo de circularidade que se estabelece entre os diferentes campos científicos, sociais, tecnológicos, culturais e assim por diante, ressaltando o conceito de permeabilidade das fronteiras.

“A ciência está cercada de ideologia e senso comum, não apenas como circunstâncias externas, mas como algo que está já dentro do próprio processo científico, que é incapaz de produzir conhecimento puro, historicamente não contextualizado.” (Demo, 1995: 18)

Essa afirmação de Pedro Demo implica, por exemplo, que até a escolha do objeto que o conhecimento científico vai escolher para analisar leva em conta tanto o senso comum, quanto a ideologia. Afinal existe um sujeito-pesquisador que faz um recorte a partir da sua própria subjetividade. No momento da escolha (e, certamente, na condução de todo o processo de pesquisa), pesam tanto o senso comum, quanto as posições ideológicas do pesquisador. Cabe colocar que o mérito do trabalho científico está também em reconhecer o quanto de ideologia e senso comum tem no trabalho para assim, na medida do possível, retirar essa influência ou manter e, nesse caso, declarar o que não pode ser retirado. Afinal, como Pedro Demo disse acima, não há conhecimento puro e descontextualizado.
A verdade científica é alterável, corrida e perde sua essência se propor a virar um dogma. Segundo Demo:

“... conhecimento científico é o que busca fundamentar-se de todos os modos possíveis e imagináveis, mas mantém consciência crítica de que alcança este objetivo apenas parcialmente, não por defeito, mas por tessitura própria do discurso científico; todo argumento contém componentes não argumentados, assim como toda estruturação lógica encobre passos menos lógicos, alguns até mesmo ilógicos; essa aparente precariedade é, no fundo, sua grande virtude, porque retira daí sua formidável capacidade de aprender e de inovar-se; as fundamentações precisam ser tão bem feitas que permitam ser desmontadas e superadas.” (Demo, 2000: 29)

Cabe ressaltar a face formativa da luta de pesquisa. Não está em jogo apenas fazer ciência, mas em constituir a cidadania capaz de se fundar em ciência e imprimir ética à ciência. Sendo conhecimento e aprendizagem dimensões das mais fundamentais do ser humano, porque é com ela que mudamos a realidade e podemos nos mudar, cabe cuidar delas com esmero redobrado. Esta perspectiva pode ser captada na idéia da autoridade do argumento, oposta ao argumento de autoridade. Este age de fora para dentro, de cima para baixo e espera submissão. Aquela age de dentro para fora, de maneira autopoiética e pode convencer sem vencer. Aprender a argumentar é a pedagogia mais profunda da vida do estudante, porque se constitui, ao mesmo tempo, pesquisador e cidadão. Enquanto constrói seu espaço e sua chance científica, o estudante constrói principalmente sua autonomia, como sujeito capaz de história própria. O mesmo conhecimento que esclarece é o que também imbeciliza. Por isso, deve fazer parte do saber pensar a ética.


RESENHA TEMPOS MODERNOS

MODERNOS Tempos. Modern Times. Direção: Charles Chaplin; Roteiro: Charles Chaplin. Elenco principal: Charles Chaplin, Paulete Goddart e outros. DVD, 87 min., EUA: Continental, 1936. (P&B, áudio).

Modern Times (Tempos Modernos em português) é um filme do cineastra britânico Charles Chaplin, lançado no ano de 1936 em que o seu famoso personagem “O Vagabundo” tenta sobreviver em meio ao mundo moderno industrializado. Trata-se de um filme quase mudo e em preto e branco, que foca a vida urbana nos Estados Unidos nos anos 30, logo após a crise de 29, quando a depressão atingiu a maioria da sociedade norte-americana, levando grande parte da população ao desemprego e à fome. O talento de Chaplin não se limitava à interpretação do personagem Carlitos, mas se estendia à escrita dos roteiros, à direção dos filmes, além da produção musical.

Assistir um filme de Charles Chaplin uma atividade bastante prazerosa, tendo em vista que resgatar a expressividade do cinema mudo e do inesquecível Carlitos nos conduz a uma visão de cinema bem diferente dos tempos de hoje: um cinema que não utiliza muitos os recursos cinematográficos, mas que é extremamente rico em performances teatrais.
Em Tempos modernos, Chaplin, com suas calças grandes, seus sapatos enormes, paletó apertado, chapéu pequeno e uma bengala, incorpora o dia-a-dia de Carlitos, um operário de uma grande indústria.
A primeira parte do filme retrata a opressão vivenciada pelos operários da fábrica que são explorados e empurrados a produzirem mais rápido e cada vez mais. As cenas filmadas na fábrica mostram o processo de produção sem revelar o que é produzido.
Tempos Modernos, é uma crítica aberta à sociedade industrial que se caracteriza por um tipo de produção que toma como base a linha de montagem fordista. É possível visualizar aspectos da ficção científica, especificamente nas cenas do presidente da fábrica controlando toda a indústria através de um telão. Com essa tecnologia, muito avançada para a época, o dono da fábrica vê tudo o que se passa em cada espaço da fábrica e quando percebe que a produção não está no ritmo desejado por ele, ele exige que os empregados acelerem sua produção.
Uma das tentativas do dono da fábrica, era recuperar o tempo perdido com a pausa para alimentação, então resolve contratar uma empresa que fabrica máquinas para alimentação para fazer um teste em seu funcionário, a cena mostra Carlitos quase que destruído pela máquina. Essa cena pode ser compreendida como um símbolo da relação entre o operário e o sistema industrial-capitalista. Outras imagens no filme, também expõem essa idéia, tais como as cenas em que Carlitos e um outro operário são literalmente engolidos pela máquina.
Esse sistema industrial é tão opressivo que leva Carlitos a um comportamento repetitivo. As cenas em que Carlitos aparece perseguindo a secretária do presidente da fábrica e andando como se estivesse apertando ainda os parafusos, mostra o quanto os homens se mecanizam nesse processo da produção industrial. Como a função do personagem é apertar parafusos, todas as imagens que lembram esse objeto, trazem em sua mente a sua atividade de trabalho. Os trabalhadores nem sabem o que estão fazendo naquela linha de montagem fabrica, não sabem sequer o que estão montando. Sua função é apenas apertar parafusos. Ou seja: não há qualquer sentido, qualquer prazer naquele trabalho. Ele então tem um colapso nervoso por trabalhar de forma quase escrava. Após esse colapso, ele é levado para um hospital, e quando retorna para sua vida normal, ou seja, para o barulho da cidade, encontra a fábrica já fechada. Essa loucura temporária de Carlitos talvez possa representar uma forma de rejeição, ou pode representar uma espécie de saída para o dia-a-dia opressivo dos operários das indústrias.
O Vagabundo então, vai em busca de outro destino, mas acaba se envolvendo numa confusão: pois é tomado como o cabeça por trás da greve que esta a acontecer e acaba por ser preso.
Uma outra cena marcante é quando, Carlitos se junta a Paulete (uma órfã que foge do abrigo, onde suas outras duas irmão são internadas) e os dois vão enfrentar a pobreza e a fome juntos. Carlitos deixa bem claro em uma de suas falas no filme: “Teremos uma casa, nem que eu tenha que trabalhar por ela!”. Nesse caso, o trabalho é colocado como algo terrível, do qual sempre se deseja fugir . Eles mudam-se para uma velha casa abandonada, literalmente caindo aos pedaços. No entanto, a condição da nova moradia era lamentável, porém eles são felizes por tê-la.
Carlitos vai trabalhar de vigilante em uma fábrica como vigilante, ele leva sua companheira para passar a noite com ele na fábrica e lá os dois desfrutam os prazeres dos produtos de luxo. Acaba armando confusão por engano e é novamente mandado embora do emprego.
De operário a líder sindical, o que acontece com Carlitos é uma série de ações atrapalhadas que acabam por transformá-lo em herói ou em bandido. Paulete consegue trabalho como dançarina e emprega seu amigo como garçom. Também não dá certo, e os dois seguem, numa estrada, rumo a mais aventuras.
Além do aspecto temático, o filme Tempos modernos é belo não apenas porque critica o contexto histórico da sociedade industrial, Chaplin critica também o próprio modo de fazer cinema da época. A opção de fazer um cinema mudo na maior parte das cenas revela que a estética desse tipo de cinema ainda tinha espaço. As cenas em que o autor utiliza a voz, o faz de forma comediante. É o que podemos ver na cena em que Carlitos canta a música Nonsense. Enfim, é através do humor que Chaplin mostra o seu lado crítico. Nesse sentido, assistir Tempos modernos é conhecer o ponto de vista de Chaplin sobre os fatos sociais ao mesmo tempo em que entramos no universo da linguagem cinematográfica do cinema mudo.
Esse filme é indicado para alunos do Ensino Médio, graduados e para professores em diversas áreas, pois o filme relata a crise e os conflitos no mundo durante o período da crise de 29.

sábado, 5 de dezembro de 2009

Andar com Fé!




É saber que todos os dias podemos contar com Deus, mesmos sendo falhos e pecadores. É nascer de novo a cada dia!

Bom fim de semana!


Que Deus possa estar abençoando todos nós!

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Bem... O Natal está chegando, e com ele vem a paz, a alegria e o desejo de comemorarmos juntos o nascimento de Jesus. Por isso, gostaria de compartilhar com todos essa menságem...



quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Desejo a todos!!!



Além disso tudo que foi dito por Drummond, não poderia deixar de desejar a nós cursistas muita calma e paciência nesse final de ciclo.... E que vivam intensamente....

Mais uma etapa concluída....


Consegui ficar mais tranquila hoje, pois já entreguei para Ana Paula (minha orientadora) o memorial finalizado e o diário de ciclo que está prestes a ser concluido, para ela olhar e dar o parecer final.
Portanto, ainda tenho que correr contra o tempo e decorar as falas para as apresentações da Produção Livre e do GELIT - Vidas Secas...

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

memórias

O caderno


(Toquinho)



Sou eu que vou seguir você
Do primeiro rabiscoAté o be-a-bá.



Em todos os desenhos
Coloridos vou estar
A casa, a montanha
Duas nuvens no céu
E um sol a sorrir no papel...



Sou eu que vou ser seu colega
Seus problemas ajudar a resolver
Te acompanhar nas provas
Bimestrais, você vai ver

Serei, de você, confidente fiel
Se seu pranto molhar meu papel...


Sou eu que vou ser seu amigo
Vou lhe dar abrigo
Se você quiser
Quando surgirem
Seus primeiros raios de mulher
A vida se abrirá
Num feroz carrossel
E você vai rasgar meu papel...



O que está escrito em mim
Comigo ficará guardado
Se lhe dá prazer
A vida segue sempre em frente
O que se há de fazer...




Só peço, à você
Um favor, se puder
Não me esqueça
Num canto qualquer...


Nunca perdi o hábito de escrever no caderno, nem em meus diários que até hoje, guardo-os com o maior carinho. Após começar a trabalhar, aprendi registrar tudo em minhas agendas e continuo atualizando até os dias de hoje, sem elas não sei o que seria de mim, já que se não anotar o que irei fazer esqueço de tudo.
Essa música é muito linda. Nela, o caderno é tido como você escreve sua vida. Ela é muito tocante, nós faz imaginar, e refletir. Espero que gostem!

domingo, 29 de novembro de 2009

Telefones de Emergência

(Texto encontrado na Comunidade Universal)

Qd vc estiver triste, ligue João 14.
Qd pessoas falarem de vc, ligue Salmo 27
Qd vc estiver nervoso, ligue Salmo 51.
Qd vc estiver preocupado, ligue Mateus 6:19,34.
Qd vc estiver em perigo, ligue Salmo 91.
Qd Deus parecer distante, ligue Salmo 63.
Qd sua fé precisar ser ativada, ligue Hebreus 11.
Qd vc estiver solitário e com medo, ligue Salmo 23.
Qd vc for áspero e crítico, ligue 1 Coríntios 13.
Para saber o segredo da felicidade, ligue Colossenses 3:12-17.
Qd vc sentir-se triste e sozinho,ligue Romanos 8:31-39.
Qd vc quiser paz e descanso,ligue Mateus 11:25-30:.
Qd o mundo parecer maior que Deus,ligue Salmo 90.

ENCONTREI ESSA RELAÇÃO DE TELEFONES DE EMERGÊNCIA E ACHEI POR BEM COMPARTILHAR COM AS PESSOAS ESPECIAIS!Anote em sua agenda, um deles pode ser IMPORTANTE a qualquer MOMENTO em sua VIDA!!!

Você tem sede de que?


Minha alma tem sede de ti Senhor Jesus....

sábado, 28 de novembro de 2009

Minha princesinha....


video



SER CRIANÇA


Ser criança é achar que o mundo é feito de fantasias,
Sorrisos e brincadeiras.
Ser criança é comer algodão doce e se lambuzar.
Ser criança é acreditas num mundo cor de rosa.
Cheio de pipocas
Ser criança é olhar e não ver o perigo.
Ser criança é sorrir e fazer sorrir.
Ser criança é chorar sem saber porque.
Ser criança é se esconder para nos preocupar.
Ser criança é pedir com os olhos.
Ser criança é derramar lágrima para nos sensibilizar.
Ser criança é isso e muito mais.
É nos ensinar que a vida, apesar de difícil,
Pode tornar-se fácil com um simples sorriso.
É nos ensinar que criança só quer carinho e afeto.
É nos ensinar que, para sermos felizes,
Basta apenas olharmos para uma criança.



Thalyta mamãe te ama.... Minha maior felicidade, foi quando Deus a colocou em minha vida.... Quando estou triste, é só olhar para você. Então por um minuto esqueço de todos os meus problemas e a tristeza vai embora.


Te amuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu


sexta-feira, 27 de novembro de 2009

GELIT VIDAS SECAS - GRACILIANO RAMOS


Nada melhor do que o GELIT Vidas Secas de Graciliano Ramos, para refletir sobre os contrastes do nosso sertão e para estudar a sua história.
O que mais me intriga é quando Graciliano em um de seus contos, nomeia-o de inverno. Afinal um lugar tão seco, que só chovia de vez em quando, onde ele mesmo aponta em sua obra. Imagino que não deveria se chamar INVERNO, e sim trovoada. Penso ainda que, Graciliano escreveu Vidas Secas para aguçar a nossa mente e ter mais interesse em conhecer o Sertão.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

UMA HISTÓRIA BOA DE VIVER!

GECI - VINÍCIUS DE MORAES - UMA HISTÓRIA BOA DE VIVER.



Senti muita emoção ao ver o documentário proposto pelas professoras Rosane e Tuca. Pois estudar a vida e as obras de Vinícius através deste documentário é uma oportunidade ímpar e prazeirosa. Toca na alma e me faz caminhar nos meus pensamentos com calmaria.


Recomendo esse documentário a todos que amam Vinícius e a Bossa Nova...
http://www.youtube.com/watch?v=8JU9FHDTkb4


Copie e cole o link em seu navegador para assistir a um trecho do documentário.
"Uma das grandes desvantagens de termos pressa é o tempo que nos faz perder." (Chesterton)

Preciso de mais tempo para mim, para minha família e para meus estudos. Enfim, o tempo para mim, é fundamental, pois o Ciclo está chegando ao fim e o tempo está cada vez mais curto.
Se pudesse, colocaria mais um pouco de areia nessa ampulheta. Só para concluir tudo o que eu tenho para fazer. E depois, deixaria que o tempo passasse da forma que ele quisesse.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Memorial




Qual a forma predominante de memória de um
dado indivíduo? O único modo correto de sabê-lo é levar o
sujeito a fazer sua autobiografia. A narração da própria vida é o
testemunho mais eloquente dos modos que a pessoa tem de
lembrar. É a sua memória (Ecléa Bosi, 1999, p. 68).




Estou construindo o meu primeiro memorial. Posso dizer que não é nada facil, porém, não é impossível. Nele estarei postando as minhas memórias desde à infância, o eu estudante, eu professor, eu cursista e até os dias de hoje. Onde já se passaram 23 anos. Vou buscar da minha memória aqueles momentos marcantes. Espero que saia tudo organiza (o qu vai ser difícil), afinal, não sou um computador. rsrsrsrsrsrs
Enfim, vou dar o máximo de mim, já que ainda estou me recuperando do acidente e não posso ficar muito tempo em frente à tela do computador. Espero terminá-lo logo, o prazo de entrega está chegando....









REFERÊNCIA
BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 7.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.


terça-feira, 3 de novembro de 2009

Aula de Ambiente de Rede



A aula de ambiente de rede, veio contribuir para o meu desenvolvimento nos ambientes virtuais, uma vez que a professora me esclareceu a minha dúvida sobre postar comentário. Fez uma revisão da primeira aula em relação às pesquisas na internet, postagens de links, inserir imágens e vídeos.
Agora que já aprendi, vou responder a todos os comentários deixados para mim.

Gostaria de deixar uma contribuição para todos que tem dúvidas de como configurar um blog. Por isso, deixo esse vídeo. Espero que gostem.



segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Para refletir

Como diz Chaplin:
Cada um Tem de mim exatamente o que cativou, e cada um é responsável pelo que cativa.
Não suporto falsidade e mentira, a verdade pode machucar, mas é sempre mais digna.
Bom mesmo é ir a luta com determinação, abraçar a vida e viver com paixão. Perder com classe e vencer com ousadia, pois o triunfo pertence a quem se atreve e a vida é muita curta para ser insignificante.
Eu desejo que você faça e abuse da felicidade sem desistir dos seus sonhos.
O mundo está nas mãos daqueles que tem coragem de Sonhar correr o risco de viver seus sonhos e explorar seus medos. Coragem.. Coragem.. Coragem, para buscar a felicidade!!!!!!!!!
OH! Escute bem: EU TE ORDENO que SEJA FELIZ, não ontem, hoje ou amanhã.
Mas sim AGORA!!!!!!!Eu desejo no fundo do meu coração!
Charles Chaplin
Pensem nisso!
Bjs.....

domingo, 25 de outubro de 2009

FAMÍLIA: AMU VCSSSSSSSSS


Percebe e entende que os melhores amigos
São aqueles que estão
Em casa esperando por ti
Acredita nos momentos mais difíceis da vida
Eles sempre estarão por perto
Pois só sabem te amar
E se por acaso a dor chegar
Ao teu lado vão estar
Pra te acolher e te amparar
Pois não há nada como um lar

Tua família volta pra ela
Tua família te ama e te espera
Para ao teu lado sempre estar (bis)
Tua família!
Às vezes muitas pedras
Surgem pelo caminho
Mas em casa alguém feliz
Te espera pra te amar
Não não deixe que a fraqueza
Tire a tua visão
Que um desejo engane
O teu coração
Só Deus não é ilusão
E se por acaso a dor chegar
Ao teu lado vão estar
Pra te acolher e te amparar
Pois não há nada como um lar
Tua família volta pra ela

Tua família te ama e te espera
Para ao teu lado sempre estar (bis)
Tua família!


Quando você tem uma família estruturada, você supera qualquer obstáculo e vence qualquer barreira, afinal Deus não o deixou sozinho no mundo, te deixou para construir uma família e dar continuidade a humanidade. Não importa qual seja teu parentesco más se você tiver alguém que posa chamar de minha família, sinta-se a pessoa mais feliz do mundo!



Essa é parte da minha família:

































Obrigado Senhor pela minha família!

CICLO II - TEATRO




No primeiro dia pude perceber a grandeza, a liberdade e o lado artístico que tem dentro de mim e o dos meus colegas. Lili nos deixou super à vontade, fex exercícios que mexeram realmente comigo. Essa aula me colocou para cima. Infelizmente por motivo maiores não pude ir no segundo encontro, mas nos veremos na próxima aula se DEUS quiser!

sábado, 24 de outubro de 2009

CICLO I - Produção Científica: SENSO COMUM E CIENTÍFICO SOBRE A CIÊNCIA


CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA
ENSINO FUNDAMETAL/SÉRIES INICIAIS
MUNICÍPIO DE TAPIRAMUTÁ


LUZINETE DOS SANTOS OLIVEIRA
VANDICLEIA DE CARVALHO SANTOS



SENSO COMUM E CIENTÍFICO SOBRE A CIÊNCIA




Tapiramutá – Bahia
Junho 2009



VANDICLEIA DE CARVALHO SANTOS



SENSO COMUM E CIENTÍFICO SOBRE A CIÊNCIA


Resumo apresentada para atividade GEAC – Produção Científica, orientado por Luiza Seixas.


Tapiramutá – Bahia
Junho 2009



Definir conhecimento científico, sem dúvida, é uma tarefa árdua. Não oponente a complexidade do tema, defrontamo-nos também com as impressões equivocadas sobre conhecimento científico, as quais terminam impregnando o discurso sobre o da ciência.
Não se trata de defender que existe uma polissemia do termo ciência. Talvez até haja. Entretanto, a brisa mítica que se formou ao redor do fazer científico nos confere um desafio maior ainda quando nos colocamos a tarefa da caracterização desse conhecimento.
A primeira tarefa para tentar driblarmos esse inimigo oculto, diluído no discurso de pelo menos três séculos, é tratamos de conhecimento científico e não de ciência. No fundo, claro, estamos falando da mesma coisa. Entretanto é dos vícios que o termo ciência criou que queremos nos livrar. Tratar esse fazer científico, que se iniciou especialmente depois da Idade Média na Europa, por conhecimento científico tem como principal intuito dar à produção científica o seu devido lugar. O lugar de mais um conhecimento, de mais uma possibilidade de explicação da realidade, dentre as várias que o homem criou.
O objetivo do conhecimento científico é explicar a realidade ou, pelo menos, parte dela. Essa tese, sem dúvida, é uma das mais comuns quando estamos tratando de ciência. Contudo, ela se configura como um tremendo equívoco. Essa crença talvez resida no fato dos próprios fazedores de ciência que disseminam o tão importante rigor de suas pesquisas e dos seus métodos de verificação e de interpretação da realidade.

"A percepção comum de ciências está repleta de expectativas simplistas, sobretudo no sentido se que os cientistas seriam gente acima de qualquer suspeita, produzindo “oráculos definitivos, detendo em suas mãos conhecimentos perfeitos.
...O maior problema da ciência não é o método, mas a realidade. Como esta não é vidente nem coincide completamente a idéia que temos da realidade e a própria realidade, é preciso primeiro colocar essa questão: o que consideramos real? Alguns julgam que realidade social é algo já feito, totalmente externo e estruturado. Outros concebem-na como algo a se fazer, pois seria criativamente histórica. (Demo, 1995: 16)"

O debate acerca da demarcação científica tem privilegiado enfoques guiados, principalmente, pela preocupação em identificar características únicas e essenciais da ciência que a distinguem e separam de outras atividades consideradas não científicas. Este trabalho apresenta uma reflexão sobre o processo de demarcação científica, a partir da perspectiva do construtivismo crítico, perspectiva esta que se propõe a rever criticamente as premissas do construtivismo social e da etnometodologia. Destaca-se a contribuição da área de ciência e tecnologia e analisa-se um conjunto de pesquisas baseado no conceito de trabalho-fronteira. Argumenta-se que tão importante quanto compreender estes processos de demarcação é destacar o processo simultâneo de circularidade que se estabelece entre os diferentes campos científicos, sociais, tecnológicos, culturais e assim por diante, ressaltando o conceito de permeabilidade das fronteiras.

A ciência está cercada de ideologia e senso comum, não apenas como circunstâncias externas, mas como algo que está já dentro do próprio processo científico, que é incapaz de produzir conhecimento puro, historicamente não contextualizado.” (Demo, 1995: 18)

Essa afirmação de Pedro Demo implica, por exemplo, que até a escolha do objeto que o conhecimento científico vai escolher para analisar leva em conta tanto o senso comum, quanto a ideologia. Afinal existe um sujeito-pesquisador que faz um recorte a partir da sua própria subjetividade. No momento da escolha (e, certamente, na condução de todo o processo de pesquisa), pesam tanto o senso comum, quanto as posições ideológicas do pesquisador. Cabe colocar que o mérito do trabalho científico está também em reconhecer o quanto de ideologia e senso comum tem no trabalho para assim, na medida do possível, retirar essa influência ou manter e, nesse caso, declarar o que não pode ser retirado. Afinal, como Pedro Demo disse acima, não há conhecimento puro e descontextualizado.
A verdade científica é alterável, corrida e perde sua essência se propor a virar um dogma. Segundo Demo:

“... conhecimento científico é o que busca fundamentar-se de todos os modos possíveis e imagináveis, mas mantém consciência crítica de que alcança este objetivo apenas parcialmente, não por defeito, mas por tessitura própria do discurso científico; todo argumento contém componentes não argumentados, assim como toda estruturação lógica encobre passos menos lógicos, alguns até mesmo ilógicos; essa aparente precariedade é, no fundo, sua grande virtude, porque retira daí sua formidável capacidade de aprender e de inovar-se; as fundamentações precisam ser tão bem feitas que permitam ser desmontadas e superadas.” (Demo, 2000: 29)

Cabe ressaltar a face formativa da luta de pesquisa. Não está em jogo apenas fazer ciência, mas em constituir a cidadania capaz de se fundar em ciência e imprimir ética à ciência. Sendo conhecimento e aprendizagem dimensões das mais fundamentais do ser humano, porque é com ela que mudamos a realidade e podemos nos mudar, cabe cuidar delas com esmero redobrado. Esta perspectiva pode ser captada na idéia da autoridade do argumento, oposta ao argumento de autoridade. Este age de fora para dentro, de cima para baixo e espera submissão. Aquela age de dentro para fora, de maneira autopoiética e pode convencer sem vencer. Aprender a argumentar é a pedagogia mais profunda da vida do estudante, porque se constitui, ao mesmo tempo, pesquisador e cidadão. Enquanto constrói seu espaço e sua chance científica, o estudante constrói principalmente sua autonomia, como sujeito capaz de história própria. O mesmo conhecimento que esclarece é o que também imbeciliza. Por isso, deve fazer parte do saber pensar a ética.

CICLO I - Oficina de Alfabetização Cartográfica


CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - ENSINO FUNDAMETAL/SÉRIES INICIAIS - MUNICÍPIO DE TAPIRAMUTÁ
DISCIPLINA: Oficina de Alfabetização Cartográfica
DATA: 16 de julho de 2009
PROFESSOR: Helmut Schuwar Zel Muller
ALUNAS: Luzinete dos S. O. Barbeirino ; Vandicleia de Carvalho Santos

ATIVIDADE I

Analise o mapa abaixo:

Fonte: www.geografiaparatodos.com.br


O mapa apresentado trás o tema Brasil Político. É um tema rico que aborda conteúdos tais como: legenda, regiões e estados. Quanto à qualidade do mapa, é de fácil interpretação, pois a tonalidade de cores é bem feita, facilitando assim a leitura e a compreensão do que está sendo mostrado. Serve para nos localizarmos no País, sabendo assim em qual região o nosso estado está situado.
Portanto, atende ao Projeto de Alfabetização Cartográfica, pois contém legenda, o que facilita a leitura e a compreensão do mapa.



ATIVIDADE II


A partir do estudo do mapa responda: Em qual região do Brasil está situado o estado da Bahia?



A questão proposta é indicada para alunos de 1ª a 4ª séries do ensino fundamental e para jovens e adultos no processo de alfabetização.

CICLO I - Resumo apresentada para atividade Oficina da Palavra Escrita



CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA
ENSINO FUNDAMETAL/SÉRIES INICIAIS
MUNICÍPIO DE TAPIRAMUTÁ


VANDICLEIA DE CARVALHO SANTOS


A IMPORTÂNCIA DA ESCRITA – UM PRODUTO INACABADO



Tapiramutá – Bahia
Junho 2009







VANDICLEIA DE CARVALHO SANTOS


A IMPORTÂNCIA DA ESCRITA – UM PRODUTO INACABADO


Resumo apresentada para atividade Oficina da Palavra Escrita, orientado por Ana Paula e Luís Felípe – Tico.


Tapiramutá – Bahia
Junho 2009



QUEM ESCREVE?

Sônia Kramer:



Possui graduação em Pedagogia pela Faculdade de Educação Jacobina (1975), mestrado em Educação feito na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1981), doutorado em Educação na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1992), pós-doutorado na New York University. É professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, e coordenadora do Curso de Especialização em Educação Infantil desta mesma universidade. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação infantil, infância, formação de professores, políticas públicas e educação, alfabetização, leitura e escrita. Coordena o grupo de pesquisa sobre Infância, Formação e Cultura (INFOC).


Vandicleia Carvalho:

Sou Vandicleia de Carvalho Santos, nasci na Volta Grande, casada, mãe de Thalyta, sou dona de casa, companheira, amiga. Extrovertida com quem eu conheço, porém tímida com os que ainda não tenho aproximação. Sou professora do TOPA, ensino para jovens e adultos. Sou determinada, impulsiva, sonhadora (afinal, sou psiniana), vou à luta e não desisto até conseguir os meus objetivos. Um dos meus defeitos é falar tudo o que penso, não importa o que os outros achem de mim.
Afinal: Sou assim, sou tão complicada, sou tão simples, sou tudo, sou nada......



Agora, se analisarmos o processo de produção da escrita nos últimos anos da escolaridade regular (ou seja, no ensino superior de graduação, pós graduação, mestrado ou doutorado), veremos que a maioria dos nossos alunos tem também ou ainda dificuldades de escrita. (KRAMER, 2000. pág. 108)



Essa fala de Kramer, faz-me lembrar a forma de alfabetização tradicional, à qual fui alfabetizada. Onde o aluno só ouve e faz o que o professor manda, sem ao menos expressar suas idéias e pensamentos. Cria-se um bloqueio no aluno, pois ele não sabe ou tem dificuldades de organizar suas idéias no papel, atualmente habituado em formar somente as palavras com o BÊ-A-BA, e ditadas pelo professor.
Falo isso, porque tenho algumas dificuldades em escrever minhas idéias, ainda tenho um pouco de medo em escrever algumas palavras, esse medo é devido minha alfabetização, pois, se errasse a palavra teria que escrevê-la várias vezes numa folha para memorizá-la. Prefiro falar, me sinto mais solta, mais leve, afinal, não preciso me preocupar com a escrita das palavras. Desde que iniciei a Faculdade, estou escrevendo cada vez mais, porém ainda espero quebrar esse tabu que há dentro de mim.
A tradição e o registro do vivido passam então a ter forças, prestígio e poder de sedução que, no entanto, com a mudança nas forças produtivas e o avanço da tecnologia, começaram a definhar. Mas, aos poucos, o homem deixou de cultivar o velho; a tradição se tornou sinônimo de obstáculo a ser superado. (KRAMER, 2000. pág. 110)

A Faculdade me fez perceber que a prática de registrar no meu diário de ciclo tudo o que foi dito na sala como aluna, o que é vivenciado em sala de aula como professora e o que acontece na vida cotidiana é muito importante para o nosso crescimento profissional e pessoal.
“Essa história ensina que a escrita é sempre uma procura, um movimento, um produto inacabado.” (KRAMER, 2000. pág. 117)
Na sala de aula, isso se torna visível, quando os alunos e nós professores construímos uma dinâmica própria, marcada pelo conjunto de ações do professor e dos alunos em interações diversas e adversas através de atos, ações, linguagem e escrita.
Por isso, escrita é algo que está sempre renovando, por isso, temos que buscar maneiras cada ver mais fácil de ensinar nossos alunos, dialogando e sempre com a meta de modificar o agente transformador da real situação da palavra escrita, para podermos dar outra direção e sentido ao mundo e trabalharmos esse produto inacabado que está sempre em construção.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

CICLO I - PLANO DE AULA - EXPERIÊNCIA ESTÉTICA


Escola: Municipal São Sebastião
Série: Alfabetização – TOPA (Todos Pela Alfabetização)
Quantidade de alunos: 15
Professora: Vandicléia de Carvalho Santos
Tempo de aula: Duas horas e trinta minutos
Dia: 10 de junho de 2009
Faixa etária: alunos entre 19 e 60 anos
TEMA:
ü Asa Branca

INTENÇÕES:
ü Mostrar a dura realidade do Sertão Nordestino em relação à seca;
ü Perceber qual a mensagem que a música transmite.
ü Conteúdo: A realidade do sertão nordestino

METODOLOGIA:
ü Acolhida com a música;
ü Distribuir em sala a cópia da Música Asa Branca;
ü Debater com os alunos seus conhecimentos prévio sobre o tema;
ü Explicar o problema da seca no nordeste e suas consequências sociais, como a grande migração para o centro-sul do país;
ü Perguntar aos alunos se eles conhecem pessoas que saíram do nordeste à procura de uma vida melhor em outras regiões do país;
ü Falar um pouco sobre quem foi Luiz Gonzaga e chamar a atenção deles para o fato de que a seca e o sofrimento do povo nordestino se faz presente na maioria de suas músicas;
ü Trabalhar por meio de perguntas, a interpretação de todos, procurando fazer com que os alunos relacionem os assuntos na música abordada com suas experiências e conhecimentos.

RECURSOS:
ü Som, CD, papel.

AVALIAÇÃO:
ü Oral


REFERÊNCIAS:

1 Contextualizando o Ensino – Vol. I, Português e Matemática. Fortaleza: Núcleo de Pesquisas, Projetos e Educação de jovens e adultos PROEX/UECE, 1999.

GONZAGA, Luíz. As grandes décadas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: Sony & BMG, p[20--]. 1 disco sonoro.




CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA
ENSINO FUNDAMETAL/SÉRIES INICIAIS
MUNICÍPIO DE TAPIRAMUTÁ


VANDICLEIA DE CARVALHO SANTOS


Plano de Aula apresentado para atividade GEAC – Experiência Estética, orientada por Rosane Vieira




Tapiramutá – Bahia
Junho 2009



RELATO DA AULA PLANEJADA:

Com referência ao desencadeamento da aula, pude analisar que os alunos tiveram uma comunicação com o mundo, pois conversamos sobre a música (de onde ela veio, as características do sertão e como as pessoas vivem no sertão). Falei então, que quanto mais longe eram as cidades do mar, elas são chamadas de Sertão. Artemizia completou que no Sertão não tem água e que é muito difícil viver lá. Comentamos sobre a seca, o clima e as condições sociais dos que lá vivem. Referi que a música é de Luiz Gonzaga e Humberto Teixira, na voz de Luiz Gonzaga, falei um pouco mais sobre ele e pedi para que todos ficassem atentos, pois só assim iriam saber do que mais a letra da música fala. No entanto, alguns alunos fizeram mais alguns comentários sobre o que haviam entendido em relação à menságem que a música quiserá passar. Fiquei pensando o quanto o conhecimento pode ser envolvente e prazeiroso.
Esta aula rendu muito. Ouvimos, cantamos a música e conversamos muito sobre ela. Eles realmente mergulharam na obra de arte. Uma visão mais estética sobre o uso da obra de arte na prática pedagógica, pois cada obra que o aluno tem acesso, torna-se presente na vida dele.
Entretanto tenho certeza de que escolhi a obra certa, pois alguns deles já a conhecia e ficou bem mais fácil de compreender o contexto. Além do mais eles também já tinham noção da realidade do sertão.


JUSTIFICATIVA:

Asa Branca de Luis Gonzaga e Humberto Teixeira, mostra a realidade do Sertão Nordestino e apresenta uma série de informações sobre o êxodo do povo nordestino brasileiro para outras regiões do país, em virtude das condições precárias de sobrevivência no Sertão.



ANEXOS


Textos complementares 1

LUIZ GONZAGA

Luiz Gonzaga do Nascimento nasceu em Exu, sertão de Pernambuco, em 1912. Seus pais viviam da agricultura, trabalhando na terra de outros, por não possuírem nenhuma. Ainda criança, Luiz demonstrou interesse pela sanfona que seu pai tocava. Sonhava com uma vida melhor, e, tendo que ajudar os pais, não freqüentou a escola. Aos 17 anos de idade foi embora e terminou morando no Rio de Janeiro, então na capital da República, projetando-se depois, para o Brasil inteiro como grande artista. Além de tocar acordeão, era compositor e intérprete.
Tornou-se conhecido como o Rei do Baião. Faleceu em 1989, em Recife. Na sua música Luiz Gonzaga exalta as belezas do sertão, louva os costumes, as crenças, o amor, a saudade, a valentia e o trabalho dos sertanejos. Seu canto é também de lamento diante da seca.


Música

ASA BRANCA

(toada)
Quando olhei a terra ardendo
Qual fogueira de São João
Eu perguntei a Deus do céu, ai
Por que tamanha judiação?
Que braseiro, que fornalha
Nem um pé de plantação
Por farta d’água perdi meu gado
Morreu de sede meu alazão
Inté mesmo a asa branca
Bateu asas do sertão

Entonce eu disse, adeus Rosinha
Guarda contigo meu coração
Hoje longe, muitas léguas
Numa triste solidão
Espero a chuva cair de novo
Pra mim voltar pro meu sertão
Quando o verde dos teus olhos
Se espalhar na plantação
Eu te asseguro, não chores não, viu
Que eu voltarei, viu, meu coração
(Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira 1947)


CICLO I - Plano de aula - A Mitologia na História

CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA
ENSINO FUNDAMETAL/SÉRIES INICIAIS
MUNICÍPIO DE TAPIRAMUTÁ


VANDICLEIA DE CARVALHO SANTOS


MONTEIRO LOBATO E O SÍTIO DO PICA-PAU AMARELO

Tapiramutá – Bahia
Junho 2009



VANDICLEIA DE CARVALHO SANTOS

MONTEIRO LOBATO E O SÍTIO DO PICA-PAU AMARELO

Projeto de aula apresentado para atividade Mitologia da História – orientada por Maria Antonieta de Campos Tourinho

Tapiramutá – Bahia
Junho 2009



"As fábulas em português (...) são pequenas moitas de amora do mato, espinhentas e impenetráveis. Um fabulário nosso, com bichos daqui em vez dos exóticos, se feito com arte e talento, dará coisa preciosa."
(Carta a Godofredo Rangel, Fazenda, 8/9/1916)

TEMA:
ü Monteiro Lobato e o Sítio do Pica-Pau Amarelo

INTENÇÕES:
ü Estudar e trabalhar textos narrativos e descritivos, enfocando alguns personagens da obra de Monteiro Lobato "O Sítio do Pica-Pau Amarelo" através de sua descrição física e psicológica;
ü Desenvolver o hábito de leitura;
ü Identificar os personagens do sítio;
ü Conhecer um pouco sobre a vida de Monteiro Lobato;
ü Perceber qual a mensagem que a obra transmite.

CONTEÚDO:
ü Figuras mitológicas

METODOLOGIA:
ü Acolhida com a música e com a obra;
ü Distribuir em sala a cópia da Música;
ü Debater com os alunos seus conhecimentos prévio sobre o tema;
ü Perguntar aos alunos se eles conhecem a obra;
ü Explicar sobre os personagens do sítio;
ü Falar um pouco sobre quem foi Monteiro Lobato e chamar a atenção deles para os personagens do sítio e o que eles representam;
ü Trabalhar por meio de perguntas, a interpretação de todos, procurando fazer com que os alunos relacionem os assuntos na música abordada com suas experiências e conhecimentos.

RECURSOS:
ü Som, CD, papel, quadro negro.

AVALIAÇÃO:
ü Oral;
ü Atividade escrita.

ANEXOS

Textos complementares 1

Quem foi Monteiro Lobato?
José Bento Monteiro Lobato estreou no mundo das letras com pequenos contos para os jornais estudantis dos colégios Kennedy e Paulista, que freqüentou em Taubaté, cidade do Vale do Paraíba onde nasceu, em 18 de abril de 1882.
Monteiro Lobato jamais escondeu sua paixão pela pintura e gostaria de ter cursado uma escola de Belas Artes. Por imposição do avô, seu tutor após a morte dos pais, acabou entrando para a Faculdade de Direito. Desistiu das artes plásticas e se fez escritor.
Entre outras coisas escreveu para crianças histórias da Narizinho, Pedrinho, Tia Nastácia, boneca Emília, Visconde de Sabugosa e a assustadora Cuca.

Música

Sítio do Pica-Pau Amarelo
Gilberto Gil

Marmelada de banana, bananada de goiaba
Goiabada de marmelo
Sítio do Pica-Pau amarelo
Sítio do Pica-Pau amarelo
Boneca de pano é gente, sabugo de milho é gente
O sol nascente é tão belo
Sítio do Pica-Pau amarelo

Sítio do Pica-Pau amarelo
Rios de prata, pirata
Vôo sideral na mata, universo paralelo
Sítio do Pica-Pau amarelo
Sítio do Pica-Pau amarelo
No país da fantasia, num estado de euforia
Cidade polichinelo
Sítio do Pica-Pau amarelo
Personagens do Sítio do pica- pau amarelo

Trabalho de Alfabetização Matemática

CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA
ENSINO FUNDAMETAL/SÉRIES INICIAIS
MUNICÍPIO DE TAPIRAMUTÁ



LUZINETE DOS SANTOS OLIVEIRA BARBERINO
VANDICLEIA DE CARVALHO SANTOS


JOGO DO CONSUMIDOR


Tapiramutá – Bahia
Outubro 2009



LUZINETE DOS SANTOS OLIVEIRA BARBERINO
VANDICLEIA DE CARVALHO SANTOS


JOGO DO CONSUMIDOR


Plano de Aula apresentado para Curso de Alfabetização Matemática, orientado por Narciso Soares


Tapiramutá – Bahia
Outubro 2009

Escola: Municipal São Sebastião
Série: Alfabetização – TOPA (Todos Pela Alfabetização)
Quantidade de alunos: 30
Professora: Luzinete dos Santos O. Barberino; Vandicléia de Carvalho Santos
Faixa etária: alunos entre 19 e 60 anos
TEMA:
ü A importância da matemática para a leitura dos rótulos.

CONTEÚDO:
ü Os números: adição, ordem, quantidade e código.

INTENÇÕES:
ü Mostrar a importância da matemática para a leitura dos rótulos;
ü Perceber qual a mensagem que o jogo transmite no nosso cotidiano;
ü Reconhecer que já sabe muitas coisas sobre números;
ü Examinar as informações contidas no jogo e discutir sobre a sua importância;
ü Compreender que os números representam: ordem, quantidade e código.

METODOLOGIA:
ü Apresentação do tema;
ü Debater com os alunos seus conhecimentos prévio sobre o tema;
ü Conversar sobre a importância dos números em nossa vida;
ü Distribuir em sala embalagens de produtos, para produção de cartaz;
ü Levantar situações rotineiras com o uso das números;
ü Identificar e decodificar os números existentes no jogo;
ü Executar o jogo.

RECURSOS:
ü Papel metro, embalagens de produto, cola e tesoura.

AVALIAÇÃO:
ü Oral e participativa.

REFERÊNCIAS:
ü PINTO, Gerusa Rodrigues; LIMA, Regina Célia V. O dia-a-dia do professor. 6. ed. Belo Horizonte, MG: Fapi indústria Gráfica LTDA, [19-?].


RELATO DA AULA PLANEJADA:

Através desse relatório, viemos apresentar, o resultado obtido após o desenvolver do plano, envolvendo a importância da matemática para a leitura dos rótulos. Trabalhamos com o jogo do consumidor, no qual envolvemos os seguintes conteúdos:Os números, adição, ordem, quantidade e código. Produzimos cartaz com embalagens de produtos, frizando que os números estão presente em nossa vida a todo momento. Foi uma aula descontraida e muito produtiva, os alunos demostraram interesse e participação, contribuindo de forma prática, apartir das experiências vividas por cada um no seu cotidiano.
Entretanto, temos certeza que escolhemos o jogo certo, pois, além de entreter os alunos, tornou a aula mais interativa, descontraida e diferenciada.

Educação de jovens e adultos!

(FOTO: de meus alunos)

É muito bom ensinar a jovens e adultos, além de passarmos nosso conhecimento, aprendemos muito mais com eles, pois eles já trazem um conhecimento de suas experiências de vida. A minha maior alegria foi ver o desempenho deles e a alegria deles ao conhecer as letras e poder assinar seu próprio nome. Isso dinheiro algum paga!
Enfim, foi muito gratificante para mim essa experiência totalmente nova, o Programa TOPA (Todos Pela Alfabetização) está encerrando, porém em março estarei lá novamente para dar minha contribuição em mais um ano letivo e para poder exercer as atividades propostas pelos professores da UFBA.


sábado, 3 de outubro de 2009

Obrigado Senhor!!!!!


Obrigado senhor por ter livrado a mim, a meu espozo e a minha amiga, da beira da morte... Obrigado pela força de paz que me fez sentir grande..., obrigado por ter me confortado nas horas difíceis..., e ter me dado saúde... para que eu conseguisse cumprir com minhas obrigações...! Obrigado pelas compreensões que encontrei..., pelos ganhos.....e perdas..., que me ensinaram o caminho da vida...!Obrigado senhor, pelos verdadeiros amigos e por minha família que me deram força na hora que eu mais precizei! Obrigado senhor, jamais esquecerei de ti, pois sei que nasci de novo.......

sábado, 26 de setembro de 2009

é impossível não me ler.....

carregar imagens

RecadosOnline - Nunca foram tão lindos os recados de Sábado

Como a frase já diz tudo, é impossível não me ler.....
Tenham um ótimo sábado, pois o meu está sendo muito bom....
Que Deus abençoe todos...

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Aula ambiente de rede...


Segundo Fernando Lapolli: "Interagir é saber conduzir o bem em pró de si mesmo." Essa frase me faz lembrar das aulas de ambiente de rede, onde pude refletir sobre a importancia da interação entre nós cursistas, pois essa interação nos ajuda a construir um conhecimento amplo uns ajudando aos outros....

Aguardo essa interação de todos vocês....


quinta-feira, 24 de setembro de 2009

OI.............

OI galera, estou iniciando o meu blogger.
Me chamo Vandicleia, sou cursista do Curso de Licenciatura em Pedagogia pela UFBA. Pretendo postar meus trabalhos, reflexões e a vivência do dia-a-dia, espero a contribuição de todos vocês, sejam bem vindos!